Mais uma vez, a Revista O Grito! fecha a lista das melhores músicas do ano, nacionais e internacionais. A produção mais experimental teve destaque, com hits que trouxeram inovações ao pop.

Entre os brasileiros, chamam atenção as misturas entre estilos e algum revisionismo, gerando coisas interessantes, como é o caso do Do Amor e Garotas Suecas. Mas foi o hip hop que, de fato, fez a música em 2010. De Big Boi a Kanye West, gigantes do mercado que continuam a buscar renovar seu som, passando por independentes como o Das Racist.

Pelos Editores da Revista O Grito!

50
DRAKE – “Over”

O rapper canadense Drake foi uma grata surpresa no mercado de música Hip Hop com seu estilo mais sensual que encontra muitos ouvintes no mainstream. Este é um de seus singles mais conhecidos e tem rimas e melodias cheias de malemolência.

49
PERFUME GENIUS – “Mr. Peterson”

Pequeno gênio do independente, como volta e meia surge na cena, o Perfume Genius é dono de músicas feitas com espírito da baixa fidelidade e coração partido. Músicas gravadas em casa e endossada por admiradores através da internet. Divo dos blogs de MP3, “Mr. Peterson” é uma das mais conhecidas deste artista americano.

48
GIL SCOTT-HERON – “I’m New Here”

Anos sem lançar disco novo, Gil Scott-Heron causou comoção com este novo registro. “I’m New Here” é soturna e como muitas outras músicas deste disco é cheio de diálogos, que reforçam o ideário de crítica de Heron. Hit, a música serve como porta de entrada para a produção desse músico.

47
THE NATIONAL – “Bloodbuzz Ohio”

O gosto pelo tom fúnereo do National ganhou um ar ainda mais dramático nesta “Bloodbuzz Ohio”. Apesar de não ser a mais famosa, foi o primeiro clipe do novo disco e é mais um exemplar do modo-National de sofrer, digo, de tocar.

46
MARCELO JENECI – Pra Sonhar

Revelação deste ano, Marcelo Jeneci se destaca pela produção em conjunto. Seu disco, ouvido do modo tradicional, é a experiência mais recomendada, cheia de surpresas e boas melodias. Mas, se precisar escolher uma canção para adentrar o universo do cantor, escolha “Pra Sonhar”, com todos os códigos para entender porque ele é tido como nome promissor da nova cena.

45
MATHEW DEAR – “Little People”

Este DJ e produtor norte-americano foi o responsável pelas experimentação na música eletrônica este ano. Seu disco, Black City é um trabalho de vanguarda que chamou atenção da cena independente. “Little People”, com seus vocais em coro, batidas sobrepostas e atmosfera sombria, é a melhor faixa.

44
TORO Y MOI – “Blessa

Chazwick Bundick surpreendeu nesta música por colocar o chillwave num outro nível de sofisticação. Calmaria cheia de detalhes, com vocais em destaque e uma das melhores faixas de seu disco de estreia, Cause Of This.

43
GIRLS – “Heartbreaker”

Desde que surgiu em 2009, o Girls tem rendido hits instantâneos, cheios de guitarras e certa melancolia. Este novo trabalho, um EP, deixou outro hit, “Heartbreaker”, uma balada cheio de lamento e bateria marcada.

42
KATY PERRY feat. SNOOP DOG – “California Gurls”

A proposta burlesca de Katy Perry deu muito certo em 2010 e a escolha de parceiros certos rendeu à cantora bons momentos como essa “California Gurls”. Perry sempre se sai bem quando tira onda com o american dream.

41
BIG BOI – “Shutterbug”

Outra metade do Outkast mostrou a que veio com diversos hits esse ano (sem falar na sua mãozinha no trabalho de outros artistas, como Janelle Monáe), “Shutterbug” é uma receita de como fazer uma dançante pérola do hip-hop. Está tudo ali.

40
YEASAYER – “O.N.E.”

Um dos principais nomes do rock experimental, esse grupo, que se apresentou no Brasil trouxe mais elementos pop em seu segundo disco, Odd Blood. A prova é essa música com detalhes de eletrônica e uma batida que não fez feio em uma pista de dança.

39
ROBYN – “Call Your Girlfriend”

Um dos últimos hits de Robyn a estourar este ano, estava presente no último disco lançado pela cantora sueca, que faz parte da sua trilogia Body Talk. É uma descarada canção de protesto misturado com mágoas desafogadas. Como outras músicas dela, conseguiu chegar à parada da Billboard.

38
TAME IMPALA – “Solitude Is Bliss”

O single de estreia do Tame Impala e deixou logo explícito as referências psicodélicas da banda. Um dos melhores debut deste ano, “Solitude Is Bliss” é cercado de boas influências e mostra como esse gênero vem se desenrolando bem dentro do pop atual.

37
A BANDA DE JOSEPH TOURTON – “Lembro o que”

Surpresa boa a surgir na cena independente do Recife, os garotos do A Banda de Joseph Tourton fizeram um ótimo trabalho com uma proposta de um som instrumental cheio de suspiros pop. “Lembra o que” é uma das melhores músicas do primeiro trabalho e chama atenção pelo uso de diversos instrumentos.

36
BEST COAST – “Boyfriend”

Trio da ensolarada Califórnia, o Best Coast lançou um dos melhores hinos nerd deste ano, com suas guitarras em evidência e uma letra quase demente. Clássico.

35
TWIN SHADOW – “Slow”

Carregado de referências ao new wave dos anos 1980, o Twin Shadow, projeto do músico George Lewis Jr é uma das melhores músicos do ano a explorar estilos do passado e ao mesmo tempo trazer novas possibilidades à música pop. Foi produzido por Chris Taylor, do Grizzly Bear.

34
BELLE AND SEBASTIAN – “I Want The World To Stop”

O Belle & Sebastian mostrou com esse música que ainda sabe criar delicados hits pop a partir de histórias prosaicas do cotidiano, alguns teclados e uma postura fofa que encanta fãs no mundo todo desde os anos 1990.

33
THE-DREAM – “Love King”

Primeiro single do terceiro trabalho do The-Dream, “Love King” é uma dos melhores trabalhos este ano juntar hip-hop e o R&B, gênero que vive uma safra apática e uma escassez criativa.

32
ceo – “Come With Me”

White Magic, da banda sueca ceo chamou atenção no pop esse ano por sua mistura de ambient-pop com outras vertentes da eletrônica. “Come With Me” mostra como o trabalho é cheio de experimentações, mas carrega um grande apelo pop.

31
KARINA BUHR – “Eu Menti Pra Você”

Nome mais falado entre as novas cantoras da música pop brasileira no início de 2010, essa pernambucana/baiana trouxe hits como essa “Eu Menti Pra Você”, uma rasgada balada sobre amor e separação.

30
TWO DOOR CINEMA CLUB – “Undercover Martyn”

Outro interessante debut desse ano, os garotos do Two Door Cinema Club revitalizaram o que a música pop tem de mais básico. Letra viciante, batida marcada e melhor, bem dançante. Muitos disseram que eles estão ocupando um vácuo deixado pelo Franz Ferdinand, mas “Undercover Martyn” mostra que eles estão aptos a ter seu próprio lugar.

29
GAROTAS SUECAS – “Tudo Bem”

É difícil até contar a quantidade de referências na música do Garotas Suecas, grupo brasileiro que melhor se saiu no exterior este ano. “Tudo Bem” congrega elementos da música brasileira e dá um sabor sofisticado, que agradou a crítica esse ano.

28
RIHANNA – “Rude Boy”

Música remanescente do disco anterior de Rihanna, Rated R, “Rude Boy” tem forte referência de ska e dancehall. Evidencia ainda o estilo agressivo de cantar da cantora, fortalecido pelo refrão grudento.

27
ARCADE FIRE – “Sprawl II (Mountains Beyond Mountains)”

Música presente no terceiro disco do Arcade Fire, “Sprawl II” traz a delicada voz de Regine Chassagne. O destaque fica pelo tom de orquestra semelhante a uma marcha que a música assume logo no início.

26
DEERHUNTER – “Revival”

O primeiro single de Halcyon Digest, novo disco do Deerhunter retoma a proposta DIY que pautou o início de seu trabalho. Foi enviado por email um link para baixar o MP3.

25
THE ROOTS feat. JOANA NEWSON – “Right On”

Os fãs do The Roots acertam em cheio quando dizem que o principal mérito da banda é ser um grupo de Hip Hop que toca de verdade. Bastante politizados, esta é uma das músicas mais pop que o grupo decidiu apostar nesse novo disco. E conta com Joana Newson, musa folk da cena indie.

24
ROBYN – “Hang With Me”

Conhecida por suas letras de catarses através da pista de dança, a sueca Robyn soltou este ano “Hang With Me”, uma magoada história em que ela (quase) admite que sofre, sim, de amor. Com muita dor, ela coloca seus vocoders à serviço de uma batida que vai ficando cada vez mais dramática. Entre os fãs, é conhecida como a “balada” da cantora.

23
CARIBOU – “Odessa”

Formado pelo matemático canadense Daniel Victor Snaith, o Caribou conseguiu emplacar um hit com “Odessa”, um animado math-rock que se tornou até trilha de video-game da Fifa.

22
DO AMOR – “Chalé”

Os cariocas do Do Amor foram destaques na cena independente brasileira este ano com um som que mistura humor com ritmos tradicionais. “Chalé” é um dos seus hits mais conhecidos.

21
TULIPA RUIZ – “Efêmera”

Celebrada como uma renovação entre as cantoras pop brasileras, Tulipa faz algo muito simples, baseando sua criatividade na simplicidade dos temas e na delicadeza da voz. “Efêmera” é a faixa-título de seu disco.

20
ERYKAH BADU – “Window Seat”

Cheia de apelo sexy, esta balada funk é um dos melhores hits do trabalho mais recente de Badu. Ficou mais conhecido pelo clipe, em que ela anda nua pelas ruas, numa espécie de vídeo-guerrilha e ainda aproveita para fazer referências ao assassinato de JFK.

19
GORILLAZ feat. Mos Def and Bobby Womack – “Stylo”

Esta música dava a pista de como o novo disco da banda iria levar às últimas consequências a proposta de unir música pop com ícones do soul e hip-hop. Um dos maiores hits de Plastic Beach o novo disco.

18
MOMBOJÓ – “Papapa”

No melhor disco da carreira, o Mombojó conseguiu mostrar maturidade num estilo que faz referência à música feita no Recife, mas traz novidades. Sem falar que “Papapa” tem a letra mais divertida dessa lista.

17
KID CUDI – “Mojo So Dope”

Depois de galgar sucesso dentro do hip hop através da blogosfera indie, que moldou o hype de Kid Cudi em 2010, o rapper não lançou um álbum irrepreensível, como atestavam seus singles e MP3. “Mojo So Dope” tem uma melodia melancólica e uma fina ironia, de alguém que fala as piores coisas com ternura e um risinho no rosto.

16
DAS RACIST – “hahahaha jk?”

Com uma mixtape, esse trio de Nova York trouxe novidades para o Hip Hop, como misturar referências diversas, de Michel Foucault, Google a X-Men. A isso, uma produção que trazia surpresas como essa “hahahaha jk?”, que no meio de seu refrão grudento tem rimas que podem ser chamadas de experimentais dentro do Hip Hop. Sit Down, Man é um disco provocativo e bem-humorado lotado de referências e bons amigos, como Jay Z.

15
LCD SOUNDSYSTEM – “I Can Change”

Mais David Bowie do que nunca, James Murphy é uma eletrônica dançante cheia de referências à disco de antes, mas sem deixar de lado a pegada rocker de seu projeto. É uma das melhores faixas de seu novo trabalho, que é seu canto de cisne dentro do LCD Soundsystem.

14
BEACH HOUSE – “Norway”

O chamado dream-pop tem o Beach House como seu representante máximo. Em “Norway”, um dos singles do novo disco Teen Dream, essa dupla americana adiciona certo desespero que ficam marcados pela interpretação da vocalista Victoria Legrand.

13
DEERHUNTER – “Desire Lines”

Em todo lançamento do Deerhunter, no meio de algumas composições marcadas pela melancolia, é de se esperar uma faixa marcada por solos de guitarras e ritmo acelerado. A pesada “Desire Lines” é a representante da vez nesse Halcyon Digest.

12
KANYE WEST – “Power”

“Power” foi uma das primeiras canções a chamar atenção do que seria o aguardado novo disco de Kanye West. Ainda que não tenha tantas referências a sexo como outras faixas, é um dos destaques de My Beautiful Dark Twisted Fantasy. Marcada por percussão, tem um vocal de Dwele, antiga colaboradora do rapper. Tem um sample de “21st Century Schizoid Man” da banda de rock progressivo, King Crimson.

11
CEE-LO GREEN – “Fuck You”

Lady Killer serviu para mostrar que Cee-Lo Green tinha muito a mostrar ainda fora do Gnarls Barkley, que deu um tempo. “Fuck You” é uma música de amor cantada de forma bem-humorada, como quem diz, “foda-se” para uma paixão perdida.

10JANELLE MONÁE feat. BIG BOI “Tightrope”
Rosto de louca, coreografia desengonçada, penteado exótico, benção de um midas como Big Boi. São muitos os motivos que se pode especular para o apelo pop que esse cantora provocou no público este ano. “Tightrope”, uma das faixas mais dançantes deste ano e tem pitadas de soul music, hip hop e o bom e velho pop tradicional, tornando a música um grude no cérebro (no bom sentido, evidentemente).

09
M.I.A. – “XXXO”

A rapper inglesa M.I.A. assustou (ainda mais) o público com seu disco mais experimental e militante. Ainda que não tenha tido o resultado esperado, em comparação com seus dois álbuns anteriores, bastante elogiados, este registro trouxe alguns respiros pop, como esta electrofunk “XXXO”. É a prova de que ainda há muito a esperar de M.I.A..

08
BIG BOI feat. Vonnegutt- “Follow Us”

Esse hit só reforça o talento de Big Boi enquanto produtor, mas também mostra o quanto o rapper tem carisma. “Follow Us” foi o segundo single do elogiado Sir Lucious Left Foot: The Son of Chico Dusty e a canção com a pegada mais rock do álbum.

07
EL GUINCHO – “Bombay”

O cantor espanhol Pablo Dias-Reixa começa a ganhar terreno em outros cenários pop com sua música. Muitas vezes ligado ao universo hipster (para detratá-lo) ou à Tropicália e Os Mutantes (para evidenciar sua originalidade), essa “Bombay” é a melhor senha para conhecer mais desse artista.

06
HOLGER – “Let’Em Shine Below”

Carregado no ska, o maior sucesso do Holger até agora, dá a entender o porque da banda estar com a moral tão em alta na cena independente. Ritmo firme, dançante e para quem já foi ao show, momento de catarse instantâneo.

05
ROBYN – “Dancing On My Own”

“Dancing On My Own” é Robyn com raiva. Punhos no ar, a sueca conseguiu fazer da música seu maior hit com uma balada pop dançante sobre desafogar uma mágoa na boate. Hino das pistas em 2010.

04
KANYE WEST – “Devil In a New Dress

Só mesmo um artista como Kanye West para ousar numa música como “Devil in a New Dress”, uma canção romântica, com uma declaração de amor carregado de sensualidade. É um dos destaques desse novo disco. Bem simples, tem o rapper cantando sob um sampler, seguido de um inesperado momento ao piano.

03
CRYSTAL CASTLES – “Celestica”

Primeiro single do novo disco, novamente homônimo, desta dupla do Canadá. As músicas do Crystal Castles tem uma atmosfera tensa, por vezes melancólica e “Celestica” potencializa isso.

02
ARIEL PINK’S HAUNTED GRAFFITI – “Round and Round”

“Nananaaaaaaaaaaaaaaana naaaaaaaa” é a frase que fica na cabeça após se viciar nesta música – o que acontece rápido. Guitarras vintage, um toque de esquisitice e um toque de psicodelia, misturados ao vocal dramático do vocalista. Já não era sem tempo de Ariel Pink conseguir seu hit, anos depois de lançar dezenas de discos independentes e produções caseiras. Pra completar o hype, a música ainda ganhou um clipe dirigido por Wayne Coyne, do Flaming Lips.

01
ARCADE FIRE – “We Used To Wait”

A música resume o conceito do álbum The Suburbs, lançado este ano. “We Used To Wait” foi a primeira música a vazar este ano e traz na letra o conceito de um cotidiano que deixa de existir no mundo atual. Lembra o subúrbio idealizado, onde existia uma maior interação entre as pessoas, o que foi reforçado pelo clipe interativo da música, onde a banda promove um encontro do espectador com seu passado. O hit ainda traz o DNA do Arcade Fire, com uma orquestração pop que vem sendo trabalhada desde o primeiro álbum.

Comentários

Ou comente por aqui: