Revista O Grito!

Marvel homenageia Jack Kirby com livro de 800 páginas

King-Size-Kirby-Hardcover

Na rabeira das muitas edições especiais que a editora lançou neste ano por conta do seu 75º aniversário, a Marvel anuncia para julho de 2015 a King-Size Jack Kirby Hardcover.

O encadernado de capa dura, com mais de 800 páginas e “tamanho adamantium” – medida inventada pela Marvel que representa 50 cm de altura por 30 cm de largura -, vai reunir quase 30 histórias (veja lista abaixo) de diferentes épocas e gêneros: romance, western, ficção científica e, claro, aquele que o consagrou, super-heróis.

Entre os roteiristas destas histórias estão o próprio Kirby, Stan Lee, Joe Simon e Martin Burstein. O preço ainda não foi divulgado.

Em fevereiro deste ano, completaram-se 20 anos da morte de Jack Kirby, então com 76 anos de idade. Ele foi um dos pioneiros e dos mais emblemáticos e inspiradores artistas da nona arte. Com justiça, foi apelidado de “Rei”.

Apesar de tardia, a homenagem é muito bem-vinda.

King-Size Jack Kirby Hardcover:

Red Raven 1

Marvel Mystery Comics 13

Captain America Comics (1941) 1e 7

Tales to Astonish 5

Rawhide Kid 17

Amazing Adventures (1961) 1e Strange Tales 89, 94 e 114

Teen-Age Romance 84

Fantastic Four 1, 48–51, 57–60 e Annual 5

Incredible Hulk 3

Two-Gun Kid 60

Love Romances 103

Amazing Spider-Man 8

Fury 6 e 13

Avengers 4

Tales of Suspense 59

X-Men 9

Thor 134–136 e 155–157

Not Brand Echh 1

Amazing Adventures (1970) 1–2

Captain America’s Bicentennial Battles

Captain America (1968) 200

Eternals 7

Devil Dinosaur 1

What if? 11

Uma passada rápida na Geek House

2014-12-17 12.32.08

O mais novo espaço de cultura nerd em São Paulo foi inaugurado na semana passada, mas só hoje (17) conseguimos dar uma passara rápida para conhecer o lugar (clique nas fotos para ampliar).

A Geek House tem três andares. No térreo ficam a lanchonete e a área de compras de HQs, cards e figuras de ação. O espaço é aconchegante, e a oferta ainda é pequena. Segundo o proprietário Bruno Iacona, o contato com as editoras e distribuidores já está em andamento e até janeiro a variedade será maior.

 

No andar de cima há quatro salas para leitura e bate-papos. Uma delas é ao ar livre e a outra pode ser isolada por uma porta de vidro para reuniões e videoconferências. A casa aceita reservas da primeira sala, a mais decorada, para quem quiser gravar videocasts, por exemplo.  O subsolo é outro bom espaço para confraternizar, completamente ao ar livre.

Bruno contou que a inauguração no dia 9 recebeu umas 200 pessoas. A sexta-feira seguinte foi o dia mais agitado depois disso. É um bom começo.

No geral, a Geek House é uma ótima opção para happy hour e para jogar conversa fora com os amigos sobre aquelas nerdices que a gente adora. No futuro próximo, pode se tornar também uma nova opção para compras. Outra vantagem é a localização, na Alameda Franca, 1055, a 700 metros do metrô Consolação, descendo pela Rua Augusta.

Fica aqui meu compromisso de voltar com mais tempo e mais gente para testar o cardápio.

Aberta a votação para o Troféu Angelo Agostini

31angeloagostini

A premiação mais tradicional do quadrinho brasileiro chega à 31ª edição em 2015. Desde ontem (15), a cédula de votação está disponível no site da Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas dos Estado de São Paulo (AQC-ESP), organizadora da premiação.

Para votar, clique aqui.

São oito categorias, sendo que seis delas se referem aos melhores trabalhos publicados em 2014 – Desenhista, Roteirista, Cartunista, Lançamento, Lançamento Independente e Fanzine – e outras duas prestam tributo a profissionais com longa contribuição à produção nacional: Mestre do Quadrinho Nacional e Prêmio Jayme Cortez.

Para conhecer os critérios de votação, clique aqui.

A votação está aberta até o dia 15 de janeiro e a cerimônia de entrega, com programação ainda a ser divulgada, agendada para 31 de janeiro no Memorial da América Latina. Neste dia, é comemorado o Dia do Quadrinho Nacional.

Como não há controle eletrônico de endereço IP, número de documento ou e-mail dos votantes, os organizadores dizem que vão manter o mesmo sistema das últimas edições para evitar fraudes: monitorar e descartar votos sequenciais com intervalos curtos.

Novo espaço de cultura nerd será inaugurado hoje (9) em São Paulo

geekhouse

A Geek House promete ser mais que uma loja para venda de HQs, bonecos, memorabilia, camisetas e jogos. A ideia é se tornar um ponto de encontro do público que consome produtos nerds e oferecer refeições rápidas, àrea para leitura, exposições e eventos nos três andares da casa.

Não por acaso, o novo espaço fica localizado no “circuito nerd” de São Paulo, no “corredor” da Comix Book Shop, Studio Geek, Limited Edition, Coleciona Brinquedos e Geek.etc.br.

A inauguração acontece hoje, dia 9, a partir das 19h30, só para jornalistas e convidados. A casa abre para o público geral amanhã (10), às 11h.

Endereço: Alameda Franca, 1055 — Jardim Paulista

Horário de funcionamento: das 11h às 20h (segundas-feiras); 11h às 21h (terças e quartas); e 11h e 23h (quintas, sextas e sábados).

Miniaturas de “Doctor Who” em pré-venda no Brasil

who

A Eaglemoss, que atualmente distribui quatro coleções de miniaturas no País – Marvel, DC Comics e Senhor dos Anéis e A Era do Gelo – divulgou durante a Comic Con Experience o lançamento de mais uma: Doctor Who, a série de TV de ficção científica há mais tempo no ar.

Atualmente, um pack com 10 miniaturas estão em pré-venda no site da editora. O consumidor tem a opção de comprar a versão completa (R$ 359,90, com a plataforma de brinde) ou dividida em dois pacotes com 5 edições cada (R$ 179,96), com opção de pagamento em até duas parcelas. A previsão de entrega é a partir de fevereiro do ano que vem. Até o momento, não há como adquirir as figuras de forma avulsa.

As miniaturas são fabricadas em resina metálica, pintadas à mão e numeradas. Seguem a escala 1:21 – o que significa entre 8 e 10 cm, dependendo do tamanho do personagem retratado.

Menos popular que as outras coleções que a Eaglemoss comercializa, Doctor Who deve seguir um modelo de distribuição diferenciado. Ainda não se sabe se vai chegar às bancas, e o lançamento de novas peças – na Inglaterra a coleção já conta com 37 edições – deve depender da boa aceitação destas primeiras.

Outra diferença é que, pelo menos na pré-venda, as revistas que acompanham as miniaturas são originais em inglês. A versão em português está disponível apenas para download pelos assinantes no formato digital.

Um dia na Comic Con Experience

ccxp

O texto abaixo é muito mais um relato pessoal do que uma cobertura jornalística; mais a visão do leitor que a do profissional.

Uma palavra define a Comic Con Experience (CCXP), que começou ontem em São Paulo e vai até domingo (4 a 7 de dezembro): profissionalismo. Do carpete aos corredores largos, dos sanitários limpos e sem fila à robusta praça de alimentação, da climatização do pavilhão à equipe de apoio bem treinada, tudo lembra as milionárias feiras de negócios organizadas por empresas com décadas de experiência – só que voltada ao público final.

Levando em conta apenas o primeiro dia da convenção, dá para prever que esta edição de estreia da CCXP será um sucesso.

O público aderiu à ideia de ver reproduzido no Brasil o formato das convenções internacionais de cultura pop. Apesar do elevado valor do ingresso – e aqui não faço considerações se é justo ou não, e sim o padrão médio do leitor brasileiro de quadrinhos -, durante várias horas corredores e estandes permaneceram lotados.

Outros públicos importantes também aderiram:

Mídia: a quantidade de jornalistas na abertura e coletiva de imprensa vai garantir uma ampla divulgação do evento. E não se trata apenas de mídia especializada. Várias equipes de emissoras de TV aberta circularam pelo pavilhão durante todo o dia. Antes da abertura, jornais impressos de circulação nacional deram bom espaço para o evento.

Grandes expositores: as editoras, estúdios de entretenimento e lojas de colecionáveis investiram alto em estandes. Eddy Barrows, que há anos desenha para o mercado internacional, me disse que o da Marvel na CCXP está melhor do que na San Diego Comic Con de 2013, última vez que ele visitou o evento gringo;

Pequenos expositores: lojas pequenas reunidas no espaço Stores Alley registraram movimento de compradores o dia todo. Muitos me disseram que mal conseguiram sair do estande para aproveitar o evento, e o proprietário da Empório HQ dava como certo o retorno do investimento;

Artistas: O Artists Alley reuniu 215 quadrinhistas em 125 mesas. Cada um deles pagou entre R$ 375 e R$ 475 por uma mesa com dois lugares, dependendo da data da reserva. A mesa de artistas mais conhecidos pelo público – Danilo Beyruth, Vitor Cafaggi, Gustavo Duarte, Fábio Moon e Gabriel Bá – tiveram fila o dia todo, e no geral todas estavam bem frequentadas.

Problemas

Sim, há. O credenciamento de imprensa foi confuso. Logo na abertura, quando ocorre maior concentração destes profissionais, três guichês de atendimento permaneceram fechados. Demorei 30 minutos para pegar meu crachá, e colegas relataram que perderam quase uma hora na fila.

Assim como aconteceu comigo, muitos outros que fizeram o pré-credenciamento pela internet e receberam e-mail de confirmação da assessoria de imprensa não estavam com o nome no sistema. Acabamos liberados, mas é o tipo de coisa que atrasa o processo. Se o problema for reproduzido na bilheteria para público, a situação pode ficar caótica.

De resto, não há registro de mais incidentes. A presença da segurança e brigada de incêndio é constante. O vidro de uma das vitrines do estande da Eaglemoss quebrou; cheguei bem no instante em que o espaço estava isolado para reparo, com presença do bombeiro.

Vale o ingresso?

Esse é o tipo de resposta que depende do perfil e das intenções do visitante. O preço da meia-entrada nos dois primeiros dias é R$ 80; no fim de semana, R$ 100. Se ele pagar na esperança de resgatar o valor em desconto nas compras, como acontece no FestComix, por exemplo, pode se desapontar.

Não observei preços abusivos, mas também nenhuma grande promoção. Um amigo disse que a Panini estava dando 25% sobre todos os títulos; não consegui conferir: por duas vezes entrei e saí do estande porque a fila para pagamento estava desanimadora. Na Comix era possível garimpar alguma coisa com preço convidativo, mas não como regra.

Por outro lado, para aquele visitante que busca maior aproximação com seus ídolos o ingresso pode valer a pena. Don Rosa e Klaus Janson estão disponíveis a maior parte do tempo no Artists Alley; há também muitos artistas brasileiros que desenham para o exterior. Sem falar da oportunidade, dentro do próprio Artists Alley, de comprar HQs independentes difíceis de achar nas lojas e interagir com seus autores.

Os grandes estandes também oferecem várias atrações gratuitas, como exposições, sessões de fotos e oficinas. Além disso, a curiosidade de visitar uma convenção nos moldes internacionais pode justificar o valor do ingresso.

Os organizadores revelaram durante a coletiva de imprensa de abertura que pelo menos mais duas edições da CCXP estão confirmadas. A de 2015, inclusive, já tem data marcada: 3 a 6 de dezembro.

Se alcançaram a meta de receber 20 mil visitantes no primeiro dia (a previsão é de 80 mil para os quatro) não há informação disponível. Mesmo que tenha ficado abaixo, é bem possível que o final de semana compense, tendo em vista não só a divulgação na mídia, mas também o fato de que a convenção ficou espantosamente cheia para uma quinta-feira.

Fico devendo detalhes sobre a área voltada para videogames, a Go4Gold. Não é minha praia, e nem passei perto.

Para mais detalhes sobre as atrações, leia nosso post anterior.

Comic Con Experience começa amanhã (4), em São Paulo

ccxp

É a primeira convenção de cultura pop nos moldes internacionais, como as de San Diego e Nova York, a ser realizada no Brasil. O que difere a Comic Con Experience (CCXP) de eventos nacionais já consagrados – FestComix, Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), Gibicon Curitiba, Brasil Comic Con, entre outros – é o foco mais abrangente e a parceria com grandes estúdios de entretenimento.

Disney (Marvel, Star Wars, Pixar), Warner, Sony, Fox e Paramount são os principais expoentes do cinema com estande na CCXP. Entre as editoras, Panini, Aleph, Mauricio de Sousa Produções, Devir, JBC, Leya, Marsupial, Jambô, Boitempo, Companhia das Letras, Record, Planeta D’Agostini e Novo Conceito.

É forte a presença também de empresas de toys e colecionáveis: PiziiToys (com as marcas Iron Studios, Bandai, Kotobukiya, Hot Toys, SideShow, PlayArts), Mimo, Eaglemoss, Hasbro e Ímãs do Brasil.

Os visitantes podem comprar diretamente nestes estandes ou nos das lojas multimarcas: Comix, Casa do Herói, Limited Edition, Mundo Geek, Toyshow e várias outras. A CCXP terá sua própria loja oficial.

Veja lista completa dos estandes aqui

Artists Alley

A convenção terá um espaço dedicado exclusivamente a autores, o Artists Alley. A lista disponível no site do evento soma 125 mesas e 209 artistas, que estarão vendendo suas HQs publicadas de forma independente ou por meio de editoras.

Não é exagero dizer que o espaço reúne o melhor da atual produção nacional de quadrinhos, assim como artistas brasileiros que desenham para as grandes editoras norte-americanas. Convidados internacionais – Dave Johnson, Sean Murphy, Klaus Janson e Don Rosa — também terão mesas no Artists Alley.

Veja lista completa dos autores aqui

Convidados

Além destes, há outros convidados internacionais: Jason Momoa (Game of Thrones), Richard Armitage (O Hobbit), Sean Astin (O Senhor dos Anéis), Edgar Vivar (Chaves), Olivier Coipel (Thor), Scott Snyder (Batman) e a lenda viva dos quadrinhos, José Luis García-Lopez.

Veja lista completa dos convidados aqui

Programação

Todos estes convidados, nacionais e internacionais, participam de uma programação ampla. Tem apresentações sobre cinema, quadrinhos, TV e internet, sessão de fotos e autógrafos, masterclasses e o Business Summit, com palestras e mesas redondas exclusivamente para tratar de negócios e parcerias entre os profissionais.

Uma convenção de cultura pop que se preze precisa apresentar conteúdo exclusivo, e isso os visitantes vão encontrar na CCXP: pré-estreia dos filmes O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos e Operação Big Hero, e da série da Netflix Marco Polo; mais painel sobre Vingadores: A Era de Ultron.

Claro que os expositores também estão preparando seus eventos nos estandes. A MSP, por exemplo, vai produzir ao vivo a próxima edição da revista Tina e apresentar a estátua do personagem Astronauta na versão de Danilo Beyruth para a série Graphic MSP; a Hasbro terá oficina de desenho dos Transformers com o ilustrador Marcelo Matere; a Paramount exibe o primeiro trailer e cartaz oficial de Exterminador do Futuro: Gênesis; a Disney antecipa conteúdo exclusivo de suas próximas animações: Divertida Mente e LAVA.

Veja programação oficial completa aqui

Ingressos

Realizar um evento de porte internacional tem seu preço; participar dele, também. A venda antecipada está encerrada, e agora os ingressos terão que ser adquiridos na bilheteria.

Na 5ª e 6ª feira, o preço é R$ 160; no sábado e domingo, R$ 200. A meia entrada é permitida nos termos da lei (estudantes, idosos, professores e pessoas com deficiência) e para o chamado ingresso social, que significa a doação de um livro em bom estado de conservação.

Quem quiser uma experiência mais próxima aos convidados internacionais, pode adquirir, à parte (não incluso no ingresso), o Meet & Greet – momento para tirar foto oficial com o ídolo e levar um item para autografar. O M&G com Jason Momoa e Sean Astin, por exemplo, custa R$ 100 a foto e R$ 80 o autógrafo. No caso de Edgar Vivar, R$ 70 e 50.

Como chegar

A CCXP acontece no Centro de Exposições Imigrantes. A melhor opção é ir de metrô até a estação Jabaquara e pegar uma das vans gratuitas para o evento, oferecidas pelos organizadores. Quem optar por ir de carro vai desembolsar mais R$ 30 de estacionamento pelo período de 12 horas.

O site da CCXP tem uma ótima seção de dúvidas. Consulte aqui

Serviço
Comic Con Experience
Data: 4 a 7 de dezembro
Horários: dia 4, das 12h às 22h; 5 e 6, das 10 às 22h; 7, das 10h às 20h.
Local: Centro de Exposições Imigrantes (rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – próximo ao metrô Jabaquara)
Realização: Chiaroscuro Studios e Omelete

Exposição homenageia Silvio Santos no metrô de SP

silvio

No próximo dia 12, Silvio Santos, um dos maiores ícones da televisão brasileira, comemora 84 anos. De presente, ganha uma exposição de caricaturas no metrô de São Paulo, organizada pela Associação dos Cartunistas do Brasil (ACB), com curadoria do seu presidente, o JAL.

84 vezes Silvio Santos reúne 60 caricaturas do apresentador publicadas em veículos de comunicação nos últimos anos (veja abaixo lista dos autores).

A exposição fica aberta aos usuários do metrô na estação República de 10 a 31 de dezembro. Em janeiro, muda-se para a estação Clínicas e, em fevereiro, para a Corinthians-Itaquera. Juntas, as estações recebem mais de 600 mil usuários por dia.

Desenhistas participantes por ordem alfabética:

Alecrim, Alex Souza, Amorim, Anderson de Carvalho Kocís, André de Pádua Oliveira, André HQ, André Sposito, Aroeira, Baptistão, Benjamim Cafalli, Bruno Hamzagic, Bruno Honda, Cárcamo, Carriero, Carvall, De Pieri, Décio Ramirez, Dilmar Júnior, Dimaz Restivo, Eder Santos, Edra, Edson Guedes, Eduardo Schloesser, Elihu, Evandro Carlos Olante, Fer, Fernandes, Ferreth, Francisco Rocha, Fred Osanan, Gustavo Guimarães, Iéio, Izânio Façanha, J.Bosco, Jal, Jean pires, Jorge Inácio, Josemar, Josú Barroso, Kaltoé, Lézio Júnior, Mauricio de Sousa, Mônica Fuchshuber, Nei Lima, Osvaldo Pavanelli, Paulo Sergio Jindelt, Quinho, Rafael Grande, Renato Stegun, Ricardo Alonso, Ricardo Soares, Sergio Gomes, Silvio Brum, Tako X, Toni D’Agostinho, Verônica Saiki, William Medeiros, William MR, Xavier Lima, Zappa.

Séries de quadrinhos lideram estreias da TV paga no Brasil

twd5

Levantamento exclusivo do Notícias da TV comprova que o gênero de super-heróis está em alta.

De acordo com o site, o primeiro episódio da quinta temporada de The Walking Dead, baseada na série em quadrinhos de Robert Kirkman (publicada no Brasil pela editora HQM), lidera o ranking da “fall season”, como é chamada a temporada de estreias – e reestreias – nos Estados Unidos (veja quadro abaixo).

Entre as novatas, The Flash lidera, logo em segundo lugar no ranking geral, seguida de Gotham e – surpresa! – Constantine (empatada com Revenge). Agents of Shield ficou na 15º colocação. A surpresa é que Arrow não aparece na lista das 20 melhores estreias da temporada.

Será interessante esperar pelo ranking dos segundos e terceiros episódios, que indicam, com mais precisão que a estreia, se uma série caiu ou não no gosto do público.

Ranking Estreia Séries 2014

Hoje (30) tem evento de mangá e Star Wars em SP

Clone_Troopers_Varios_Tipos

A JediCon, tradicional encontro de fãs da saga de George Lucas, realiza sua 14ª edição na FAPCOM (Faculdades Paulus  de Tecnologia e Comunicação —  Rua Major Maragliano, 191, V. Mariana – próximo ao metrô Ana Rosa).

O evento reúne estandes – com todo tipo de artigo relacionado a Star Wars à venda -, fã clubes, concurso de fantasia, palestra, bate papo com convidados e sorteios. Na programação, o diretor e ator Fernando Caruso e o jornalista Paulo Gustavo Pereira debatem a nova série Rebels.

A Jedicon SP é produzida pelo Conselho Jedi São Paulo desde 1999. O ingresso custa R$ 20 mais a doação de 1 kg de alimento não perecível.

Mangá

Menos tradicional, o Encontro de Arte e Mangá chega à segunda edição na Escola Elvira Lefevre Salles Nemer (Av. Henriqueta Mendes Guerra, 1168 — Centro de Barueri) e reúne colecionadores, lojas de mangás, souvenires, brinquedos e card games, com itens novos e raros, além de feira de troca de mangas e HQs, palestra  sobre método Kumon, workshop de desenhos, card games, magic e Pokemon.

O encontro vai das 12h às 20h, com entrada gratuita.